Pages

sábado, 19 de novembro de 2011

Até quando?



  
           É, eu estava passeando pela cidade quando me deparei com esta cabana, que mais me parecia um amontoado de taboas inabitável no meio de um terreno. E sim, alguém habitava este local antes da prefeitura mover para outro.
          Observando isso, me surgiu a questão: O que leva uma pessoa a acabar nestas condições precárias e de extrema miséria?
          Seria a exclusão social, o analfabetismo, a falta de oportunidades ou um pouco de egoísmo da sociedade, que só se importa com quem têm grandes riquezas materiais e acaba por esquecer, apagar quem têm menos ou nada. 
            E aqui podemos também discutir a questão de: o que é lugar de que?
           Olhando por um lado, a sociedade cria lugares para tudo e todos, para se obter uma melhor organização estética. Um exemplo bem comum disso é os são os mendigos, você por acaso vê algum miserável dormindo no centro de uma cidade grande, ou em um ponto de grande movimentação turística? Não, porque a sociedade os oculta, move para outro lugar onde não estejam a nossa vista. E Sim, ao invés de resolverem o problema da miséria, eles apenas o escondem-no.
          O mesmo se aplica ao caso desta família, removeram-lhe de sua antiga morada, lugar que por pior condições que se encontrava parte da história de vida deles estava ali.
              Por um lado ter movido a família deve ter sido bom, pois agora eles têm um novo cômodo com condições habitáveis melhores, e em algum lugar menos perigoso que a beira da faixa. Mas o que impede que essa família não volte ás  condições precárias novamente? nada. O governo ao dar um novo lar a essa família, não lhe deu uma estrutura, para mantê-lo,  pois essas pessoas são excluídas da sociedade e quase não têm chance de conseguir um emprego, pois foram excluídas, esquecidas pelo meio social. Uma boa solução para o problema da miséria seria que o governo além de dar um apoio material para as pessoas em questão, também lhes oferecesse um meio de reintegração á sociedade, assim estas teriam alguma chance de progressão na vida.
              E para lembrar, a sociedade somos nós, e o governo é a gente quem faz,  e a questão da miséria é nossa, que não exigimos uma gestão de governo melhor, que não exigimos educação melhor e igual para todos, e que nos acomodamos, adaptamos a qualquer mudança independentemente de que se nos agrade ou não.
              Para encerrar a postagem deixo a pergunta: 
              Até quando vamos deixar as coisas ficarem do jeito que estão? 
                                                                                                  

Giulia Bordignon.    
       

2 comentários:

Drica Fernandes disse...

Oi Giulia, gostei do seu post.
Sempre é bom abrirmos os olhos pra situações como esta, e enxergarmos, afinal boa parte da população mal repara nos mendigos nas ruas, e permanece apática em relação a como ajudar aqueles seres invisíveis. Mas pelo menos a prefeitura agiu e retirou uma família desse ambiente sem condições pra se morar, (não estou dizendo que fez muito, isso não resolve nem metade dos problemas) porém aqui no Rio de Janeiro por exemplo o número de famílias vivendo em ''moradias'' precárias,e além disso em ambientes de perigo é impressionante. E a prefeitura nem se importa, não faz absolutamente nada. O primeiro passo pra sociedade tentar resolver o problema, é abrir os olhos, e ter mais solidariedade, e tentar retirar esse preconceito, que faz com que os mendigos,os miseráveis são tratados como animais, como marginais, quando na verdade são apenas vítimas do descaso do nosso governo sujo.
Kisses.

Giulia disse...

Oi Drica, ><'
Eu aprovei a ação da prefeitura em dar um auxilio as pessoas trocando-lhes de moradia, e é tão triste saber que o governo não criou um sistema que funcionasse e que oferece-se um local seguro e habitável a todos. S;

Postar um comentário