Pages

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Saúde - Durma Bem

     "A insônia é uma doença. Mas dormir pouco, para muita gente, é uma opção. Opção que, segundo inúmeras pesquisas, causa um verdadeiro descompasso no organismo."

    Quando o computador invadiu os escritórios, no começo da década de 1980, quase todo mundo esperava realizar as tarefas profissionais rapidamente e, então, aproveitar o tempo de sobra para relaxar, ficar com os familiares, visitar os amigos. Mas aconteceu exatamente o contrário. A chegada das máquinas pessoais — e, depois, a popularização da internet — aumentou bastante a carga de trabalho. E os momentos destinados a atividades como ler um romance, ver TV e praticar um esporte invadiram a noite. “Quem saiu perdendo foi o sono, sempre deixado em segundo plano."
   De acordo com o site: http://saude.abril.com.br/, a falta de sono pode causar várias complicações como:

 † Alterações Genéticas:
   Quem deixa de pregar os olhos para ver aquele filme imperdível noite adentro pode mexer com uma das estruturas mais importantes do corpo: o DNA. “Essa privação aparentemente deixa a molécula mais frágil e suscetível a mutações”, explica a geneticista Camila Guindalini, do Instituto do Sono. E esse é o primeiro passo para o aparecimento de variados problemas, entre eles o câncer. O que mais surpreende os cientistas, entretanto, é que fi car poucas horas na cama altera nossa carga genética. “Restringimos o sono de animais só por quatro dias e percebemos que alguns de seus genes estavam mais ativos”, revela Camila. Os cientistas acreditam que essa seria a conexão entre dormir pouco e o desequilíbrio de várias funções corporais.

† Mais Dor
   Quem consome boa parte do período noturno em claro pode ficar extremamente sensível a toques, esbarrões e qualquer pequeno machucado. Também é comum os notívagos sentirem o corpo todo dolorido, como se tivessem exagerado na academia. “Durante o repouso, o cérebro secreta substâncias como serotonina, dopamina e endorfina”, ensina Páblius Staduto Braga, reumatologista do Hospital Nove de Julho, na capital paulista. “Níveis baixos dessas substâncias relaxantes estão associados a respostas dolorosas”, complementa. O problema é que, às vezes, esse baita incômodo gera insônia, além de prejudicar a qualidade das poucas horas dormidas. “Cria-se um ciclo vicioso difícil de ser quebrado, especialmente em casos de fibromialgia. Aí, muitas vezes temos que lançar mão de medicamentos”, avalia Staduto Braga.

† Enfraquecimento de defesas:
   Uma pesquisa da Universidade de Lübeck, na Alemanha, acompanhou voluntários que se vacinaram contra a hepatite A. Na noite seguinte à injeção, metade deles só foi autorizada a dormir após determinado horário, enquanto o restante poderia adentrar o mundo dos sonhos quando achasse melhor. Resultado: os indivíduos que ficaram menos horas entregues aos lençóis apresentaram uma contagem de anticorpos contra a doença quase duas vezes menor. Em outras palavras, os efeitos benéficos da vacinação podem ser nocauteados pela simples mania de ir para a cama tarde. Verdade seja dita, ainda faltam evidências científicas para sedimentar essa hipótese, principalmente quando falamos de outros males que não a hepatite. Mas já está comprovado que o sistema imunológico precisa de descanso para, quando for ativado, responder às ameaças com eficiência.
 
† Envelhecimento  Não são só as olheiras que entregam a resistência a dormir um pouco mais cedo. A própria pele dá indicativos de que o sujeito anda passando horas de menos sob o cobertor. “Quem dorme mal compromete os vasos sanguíneos periféricos, que irrigam a epiderme. Isso deixa a face menos rosada”, descreve Dalva Poyares, do Instituto do Sono, da Unifesp. Está aí um dos motivos pelo qual se manter acordado no período noturno parece acrescentar anos de vida a nossa feição. Mas não é só por fora que se envelhece. Em todos os órgãos, as células de quem insiste em postergar o momento de adormecer também ficam idosas rapidamente. Uma das razões reside na melatonina, hormônio indutor da sonolência, que é secretado em grandes quantidades quando não estamos expostos à luz. “Essa substância é um poderosíssimo antioxidante, que combate os radicais livres como poucos”, diz Fernando Louzada, cronobiólogo da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba. Ou seja, se somos iluminados pela tela de um computador quando deveríamos estar no escuro, ela fica em falta no corpo. No final das contas, tudo isso favorece o envelhecimento celular precoce e até tumores.
   Essas informações não deixa de ser verdade porque alguns sintomas citados jah me ocorreram justo na semana em que não estava dormindo direito.
   Para findar, esses foram só uns dos infinos problemas que a falta de sono podo trazer-nos.
 Ah e não esqueçam: Durmam Bem =)

2 comentários:

Drica Fernandes disse...

Que interessante esse post,porque exatamente nesse momento eu estou tendo muitos problemas pra dormir,então valeu!
Kisses,love and rockets!

http://10coisas2.blogspot.com

meu mundo bizarro disse...

Que bizarro meu,eu pensava q não dormí só dava aquelas malditas olheiras,mas pelo visto não só isso não!Pô,mais um conhecimento pro eu minúsculo célebro,gostei demais!!!
100sacional!!!!

Postar um comentário